Rating: 3.3/5 (538 votos)

ONLINE
2



Estratégia contra o HIV/aids e as IST

Saiba por que o preservativo é uma excelente estratégia contra o HIV/aids e as IST

 

Preservativo. Camisa de Vênus. Camisinha. Borracha. Capinha. Látex. Não importa o nome. O preservativo é uma excelente e prática estratégia de prevenção ao HIV/aids e outras infecções sexualmente transmissíveis (IST). Mas antes de serem distribuídas, as camisinhas passam por um processo rigoroso de produção.

Apesar do preservativo ser uma das principais medidas de prevenção, a Política Nacional de Saúde Sexual e de Enfrentamento ao HIV/Aids do Ministério da Saúde adota mais de uma estratégia. Exemplo disso, é a chamada Prevenção Combinada, que conjuga vários elementos, como as profilaxias pré e pós-exposição (PrEP e PEP) e o uso de preservativos. Assim, abre-se um horizonte de possibilidades de escolha para o autocuidado.

“A ideia é que a gente possibilite às pessoas que façam suas escolhas a partir do que elas entendem do seu lugar, território e, por que não dizer, dos seus desejos, dos seus quereres para que possam se prevenir. Isso é fundamental”, afirma a assessora-técnica do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde (DDAHV), Lis Pasini. “O preservativo não é a única estratégia de prevenção, mas é uma boa estratégia”, completa.

 

Números

O preservativo ainda é o carro-chefe da prevenção, sendo o método mais barato e de fácil acesso. Por isso, o Ministério da Saúde mantém a distribuição gratuita, em todo o Brasil, dos preservativos masculinos e femininos. Só no primeiro quadrimestre de 2016, foram distribuídos 143,4 milhões de preservativos masculinos, 4,2 milhões de femininos, e 10,8 milhões de sachês de gel lubrificante. Uma grande quantidade desses insumos também será distribuída nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos.

“A negociação para o uso do preservativo é uma barreira a ser enfrentada. O método em si não é só abrir uma camisinha e colocar. Tem muitas questões envolvidas”, defende a assessora-técnica Lis Pasini. “Como é que acessa? A oferta de acesso ao preservativo masculino existe em grande quantidade. Mas, há a necessidade de colocar os preservativos para além da discussão que é só uma questão de saúde. Tem que ir além”, destaca.

 

Prazer e erotismo

Na avaliação do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais do Ministério da Saúde, o uso do preservativo deve estar ligado ao prazer, ao erotismo, de se poder fazer sexo com segurança, uma escolha positiva, de cuidado com o próprio corpo e de prevenção às infecções sexualmente transmissíveis, aids e hepatites virais.

“Como é que os preservativos vão estar só na unidade de saúde? As pessoas estão na rua. O preservativo tem que estar na rua. Tem que estar em bares, boates, saunas... Não só nos locais onde estão as populações-chave, mas em todos os lugares. Porque as pessoas têm que ter o direito ao acesso preservativo para fazer sexo seguro. Tentamos trabalhar sempre na perspectiva da educação em saúde e da erotização do preservativo. Não é simplesmente uma distribuição do preservativo. Ele precisa estar incorporado ‘na cena’ sexual. Por isso, precisamos trabalhar mais de forma a erotizar o preservativo e de aumentar o acesso a ele”, atesta a gerente da Coordenação-Geral de Prevenção do DDAHV/MS, Paula Adamy.

O preservativo precisa fazer parte da vida de toda a população. Para Lis Pasini, o preservativo feminino é um insumo importante para a prevenção. As mulheres com menos lubrificação e homens com maiores dificuldades de ereção, inclusive o prefere. O preservativo feminino ainda tem muitos mitos, mas a maioria deles é por falta de conhecimento e de informação. “Mas precisamos colocar o preservativo feminino nesse lugar de que é bom. Fazer sexo com preservativo feminino é bom. Essa é uma discussão que vai além do tema da doença e da saúde. Falemos dos direitos, da sexualidade, do erotismo, dos corpos e de fazer prevenção com prazer”, explica.

Para a gerente de Prevenção do DDAHV, Paula Adamy, o preservativo, quando sai da lógica do posto de saúde, dá a possibilidade de entender a camisinha de outra maneira. E a assessora-técnica Lis Pasini complementa a ideia. “Se está ligado só à unidade de saúde é praticamente entendido como uma doença. Quem vai à unidade de saúde? Tu vais por quê? Chega lá uma mulher jovem, da periferia, negra. Chega à unidade e diz ‘oi, tudo bem? Eu quero um preservativo’. Não vai! Quantos homens vão à unidade de saúde? Ele vai lá só para pegar preservativos gratuitos?”, questiona.

 

Preservativo Feminino

Quando se fala em camisinha, a mente automaticamente pensa na versão masculina. Mas o preservativo feminino tem se tornado um importante aliado das mulheres, de todas as pessoas. Não é necessário gostar ou só usar a versão masculina. O indivíduo pode não gostar, ter alergia, ou outras questões que o afasta da camisinha masculina.

“O uso da camisinha masculina não é uma responsabilidade só do homem porque está no corpo do homem. Assim como o preservativo feminino não é só das mulheres. Pode ir para o corpo da mulher. Pode ter uma outra formulação para o uso. O preservativo feminino vem como uma alternativa de poder fazer uma escolha na prevenção. Os dois preservativos contribuem para os direitos sexuais e reprodutivos. O preservativo feminino está muito fortalecido porque ele está no corpo da mulher. Muitas mulheres gostam de falar que agora elas têm mais autonomia”, lembra Lis.

O preservativo feminino tem a possibilidade de ser colocado horas antes da relação sexual. Mas ainda é desconhecido pela maioria das pessoas, inclusive pelos profissionais de saúde. “A gente percorre o país e é impressionante o quanto as pessoas desconhecem o preservativo feminino. Não conhecem, não gostam e não querem usar. Por que está lá no mito de que é feio, desconfortável. Mas essa é uma barreira cultural que precisa ser vencida. A camisinha masculina é bonita?”, provoca Lis Pasini.

O Ministério da Saúde distribui gratuitamente para todo o Brasil os preservativos masculinos e femininos, mas o órgão tem impulsionado, nos últimos anos, o preservativo feminino. Só em 2015, foram distribuídas 22,3 milhões de unidades de preservativo feminino.

 


 

Fonte: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/materias-especiais/51455-saiba-por-que-o-preservativo-e-uma-excelente-estrategia-contra-o-hiv-aids-e-as-ist

 

Seja bem-vindo!

 

Essa página foi criada com o objetivo de destacar informações de relevância a promoção da saúde dos usuários/pacientes que utilizam os serviços da Estratégia Saúde da Família.

Contudo essa página não pretende oferecer soluções imediatistas para os dilemas da vida humana, simplesmente vai sugerir uma outra maneira de raciocinar sobre os conflitos existenciais do cotidiano comum da população. 

Vale ressaltar que essa é uma pagina sem fins lucrativos e não governamental.

 

Fique à vontade!

 

Edilon Miranda

COREN-ES 350768 - Enfermeiro

Especialista em Estratégia Saúde da Família pela UERJ


 Calendário da saúde




 Caderno do ACS


Sites dos Conselhos:


Sites Úteis: